Nota de repúdio às ofensas proferidas em reportagem da Carta Capital

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

A Associação Paranaense dos Juízes Federais (APAJUFE) vem a público manifestar absoluto repudio à reportagem “Mulheres que envergonham as mulheres” publicado na revista Carta Capital desta semana (edição 1081).

Referida reportagem, vinda de uma revista que se autoproclama progressista e feminista, claramente demonstra que tais termos apenas servem a um viés ideológico, não importando o que se fala, apenas quem fala.

Aqueles que não comungam de sua visão de mundo, independentemente de gênero, raça, cor ou credo, devem ser atacados, inclusive de forma covarde, como aconteceu na edição em questão em que as juízas federais paranaenses Gabriela Hardt e Carolina Moura Lebbos, em razão de sua atuação profissional, foram classificadas como “medíocres”, “fantoches”, “ressentidas”, “chatinhas”, “travadonas”, adjetivos sexistas e discriminatórios que demonstram a total falta de respeito às magistradas enquanto mulheres e profissionais, além  da total ausência de ética que deve permear a atividade jornalística.

Diversas outras mulheres também foram atacadas de forma covarde pela reportagem, como a ex-Presidente do STF, Ministra Carmen Lúcia, que é chamada de “bruxa” e “satanista militante”. A manifestação de discordância quanto às decisões proferidas pelas magistradas faz parte do Estado Democrático de Direito, mas jamais se deve aceitar que a discordância de opinião seja feita de forma pessoal, ofensiva, covarde e desrespeitosa.

APAJUFE presta sua solidariedade a todas as mulheres atacadas pela reportagem, em especial às juízas Gabriela Hardt e Carolina Moura Lebbos, exemplos de mulheres e magistradas dedicadas que são atacadas tão somente por exercerem uma função pública. Tais profissionais orgulham a magistratura paranaense.

Curitiba, 18 de novembro de 2019.

Associação Paranaense dos Juízes Federais – APAJUFE